Tecnologia Relacional como solução à subjetividade das ações de comunicação

Somos movidos pelo que acreditamos e nossas crenças se baseiam naquilo que aprendemos.

Essa é a ordem natural da Cultura de Consumo. Ou seja, tudo o que se refere a produtos e serviços que adquirimos por hábito, que podem ou não ser verdadeiramente indispensáveis. Lembrando aqui que o indispensável deve ser sempre discutido.

A efetividade dessa aplicação está no fato das estratégias designadas para as ações responderem às características pessoais, que classificam os seres humanos em ordens de relacionamento.

Sim, Tudo é Relacionamento! E sim, Relacionamento provém de fator pessoal. Sempre.

E, por isso, quem sabe se relacionar com os propósitos de seu público-alvo, sabe envolve-lo, persuadi-lo e o retorno monetário se torna automático. Dialogar de maneira assertiva cria embasamentos que vão além.

As ordens de relacionamento estão intimamente ligadas aos perfis psicológicos que comumente se encontram em uma sociedade. Classifico esses perfis em Lógicos e Abstratos. Lembrando que nas duas nomenclaturas cabe o perfil-macro que nomeio como Emocional.

Porque todos os seres humanos são movidos por emoções. A organização capaz, por meio de um trabalho bem elaborado de Relações Públicas, de deter essa visão é aquela que alcança a iconização, isto é, se torna referência entre seus pares.

Por trás dos perfis classificados devem-se aplicar estratégias direcionadas e unidas por meio das chamadas Tecnologias Leves*. A aplicação dessa infraestrutura tecnológica no campo direcionado ao relacionamento corporativo, e toda a sua cadeia diagnosticada, é por mim designada como Tecnologia Relacional®.

Não se trata de “feeling” ou “experiências”. Estratégias de Relacionamento que atingem diretamente o campo da credibilidade só são possíveis com a utilização de soluções humanas e científicas, com vistas a estímulos de acolhimento, vínculos e autonomização. Elas alinham os campos de integração e os tornam palpáveis, totalmente aplicáveis e mensuráveis a negócios inteligentes.

Tecnologias Leves: Para Merhy et al, as tecnologias podem ser classificadas como leve, leve-dura e dura. Todas tratam a tecnologia de forma abrangente, mediante análise de todo o processo produtivo, até o produto final. As tecnologias leves são as das relações.

*Vanessa Denardi é CEO & Co-Founder da RelatioNOW. Autoridade em Relações Públicas no Brasil e referência no relacionamento com Digital Influencers.